Terça-feira, 7 de Dezembro de 2010

folhetada há setenta anos

UMA FOLHETADA HÁ MAIS DE SETENTA ANOS Estava-se num período de perseguições políticas. O medo das ideias avançadas fazia tremer as autoridades. Tinha há pouco principiado a Guerra Civil Espanhola. Sanjurjo, um dos chefes dessa revolta militar tinha morrido, num acidente num acidente em Cascais quando se dirigia para Espanha, e Franco, saindo do Norte do Norte de África desembarca, na costa espanhola do Mediterrâneo à frente de um exército constituído por soldados de forças militares africanas, tomou para si o combate contra os republicanos espanhóis. Ora, as “folhetadas” era uma manifestação popular que, embora nada tivesse de orientação política, era uma manifestação contra alguma coisa e como em Portugal eram proibidas quaisquer manifestações, fossem elas políticas ou simplesmente apolíticas, não fosse “o diabo tecê-las”, estavam incluídas nessa proibição. Todos os poveiros, julgo, sabem o que eram as “folhetadas” e quais a sua origem. No entanto, talvez não seja despropósito trazer à luz do dia, as origens desse costume, hoje desaparecido e muito bem, porque cada um sabe “as linhas com que se cose” e ninguém tem a ver nada com o caso. Mas, vamos lá então às origens. São elas várias, tanto podia ser um casamento serôdio, uns nubentes já olhar para os pés, ou um velho com uma nova, ou um novo com uma velha, uma mulher que tinha abandonado o lar e depois, arrependida voltava e o marido recebia-a em festa, ou até quando um viúvo ou viúva não respeitava o nojo. É precisamente este último que vem de me servir para recordar uma “folhetada” ocorrida nesses já longínquos e conturbados tempos. Ali para a Senra, por perto do estabelecimento da Carmen Laranja (lá se faziam algumas patuscadas), numa casa que dava pelas traseiras para a Avenida, tinha falecido um honrado homem e, nesse tempo os cadáveres, normalmente, ficavam em Câmara Ardente, numa das salas da sua residência, esperando que, conforme as disponibilidades da família, fossem transportados para a Giesteira, no carro ambulância dos bombeiros, e então numa simples carreta. Metido no “seu sobretudo de pau”, estava o corpo do “esfalecido”, e ao lado, em grande lamúrias a inconsolável viúva:”Ai, meu patrão da lancha, quem há-de tomar conta do leme?”, “Ai, Senhor, levai-me para junto dele” e a choradeira seguia, num desabafar contínuo. Condoído um vizinho que por sinal era já antigo viúvo e como barbeiro foi quem escanhoou os queixos do infeliz que, como sua última vontade, tinha pedido à Micas que lhe rapassem a barba pois queria apresentar-se ao chaveiro do céu, com aspecto apresentável e não como um simples barbudo, chegou-se junto dela e principiou a animá-la: “Ó Senhora Maria, tenha paciência, agora não há outro remédio. Ele a esta hora está no Céu, bem barbeado que nisso ninguém me leva a palma, e como era um bom homem lá estará por toda a eternidade à sua espera. E com “pezinhos de lã”, sussurando-lhe ao ouvido: Anime-se, Senhora Maria, ainda é nova e vai ver que ainda está p’ras curvas, e ainda tem muito para andar” -“Não senhor João, agora acabou, qualquer dia estou com os pés p’rá cova” E assim lá foi o defunto “ocupar os sete palmos de terra” e a vida foi seguindo o seu ritmo só quebrado pelo “rapa pés” das constantes visitas do barbeiro à casa da viúva até que, dias depois, cheio de coragem, lançou o “isco”: “A senhora Maria, podia alcançar a felicidade se aceitasse o meu amor! (Lá romântico era o barbeiro !) -Joãnsinho, eu agora não quero mais nenhum e, para mais ele ainda está quente na cova”. Esta última parte do colóquio, deu ao barbeiro uma certa esperança e de novo dias depois, voltou à carga e ela, enredada, respondeu :”Ainda é cedo, e mesmo não podemos casar, sem passar os meses do luto. O padre não nos casa”. -“ Isso resolve-se facilmente, vamos a Espanha, e pronto”. E assim resolverem. O barbeiro, como a viúva, como por encanto desapareceram durante uns dias da Póvoa e, quando aparecem vinham de braço dado, ele com uma rosa na botoeira do casaco e ela, como não podia trazer flor de laranjeira, trazia um ramo de violetas e amores-perfeitos. E rebentou o escândalo. As más-línguas femininas já tinham pretexto para desenferrujar a língua. E os seus comparsas, talvez, por inveja, logo planearam o desforço da “folhetada”, mas o plano chegou aos ouvidos dos mandantes, e nessa noite, tomaram as precauções para o gorar. E para ter a certeza de que assim aconteceria ordenaram à polícia municipal, sob o comando de um cabo que patrulhassem a Senra e a Avenida. Como reforço, lá estaria também o Presidente da Câmara, o Administrador do Concelho, e o Alferes Soares que era o Comandante da Polícia Municipal. Ao anoitecer um magote de gente juntou-se à entrada da rua para “ver como paravam as modas”. A polícia tinha principiado a sua ronda, rua abaixo, rua acima e, as autoridades mandantes aproveitando aquele princípio de uma quente noite de Maio passeavam pela Avenida e ali estariam “caso as coisas corressem para torto”. A impaciência do público espectador, ansiava pelo desfecho mas ninguém ousava arriscar, até que um certo rapazola, catorze ou quinze anos, esperando ocasião propícia, quando a ronda estava lá para baixo, resolveu arriscar e de lata na mão e um pau, de que previamente se tinha provido, principia rufar como num tambor, dando assim inicio à “folhetada”. Ó meus amigos, foi de ver, a polícia a suar as estopinhas, o cabo resfolegar no seu bandulho de unto, a correrem rua acima até ao magote, e indagando quem foi o malandro, onde estava ele. Todos mudos, ninguém respondia, mas uma velhinha, quebrando o silêncio diz: “Foi um rapazinho, que fugiu ali pela Patrão Lagoa”. O cabo ordena então à força de repressão :”Vamos pela rua e temos de o caçar, que lhe vou dar uma boa ensinadela “. Escusada seria dizer que foi um expediente da bondosa velhinha, ela sabia que o maroto não tinha abandonado o quartel-general e ali estava encostado à parede segurando junto ao rabo “o corpo de delito”. Logo que a ronda seguiu, a correr, rua Patrão Lagoa, o maroto, com pressa se dirigiu para as Hortas, e se desfez da arma do crime, arremessando-a para um quintal. E assim, hoje, passados setenta e tal anos aqui estou a recordar, uma brincadeira que confirmou um velho costume : É QUE NESSE ANO, APESAR DA REPRESSÃO ANUNCIADA, HOUVE “FOLHETADA” Braga, 7 de Dezembro de 2010 LUÍS COSTA
publicado por Varziano às 14:00
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
13
14
15

16
17
18
19
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. ...

. Museu Imagem

. Palacete Arantes

. Inauguração em Braga da e...

. CHAVES -Cidade Hericoica

. fonte campo das hnortas

. Março

. Fevereiro

. Homenagem

. João Penha - definitivo

.arquivos

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds