Quinta-feira, 2 de Fevereiro de 2012

João Penha - definitivo

P a r n a s i a n i s m o J O Ã O P E N H A O “realismo em poesia acompanhado do estecticismo ou preocupação formal, á volta de temas exóticos ou comuns, sociais ou descritivos plástico-sensuais”, segundo a lição do prof,. Doutor Amadeu Torres (Castro Gil), em “Antologia Literária”, 2º vol., recebeu o nome de PARNASIANISMO. Afirma também o ilustre professor que o seu órgão era o jornal literário “A Folha, microcosmo literário” – 1868 – criado e dirigido por João Penha, ainda como estudante em Coimbra, com colaboração de Gonçalves Crespo, Guilherme Braga, Simões Dias, Guerra Junqueiro, Cândido de Figueiredo, Castilho, Antero de Quental, Teófilo Braga, Camilo, Gomes de Amorim. (1) Revista literária, “A Folha” órgão, como disse acima, do movimento Parnasiano, rapidamente entusiasmou a geração Coimbrã. “Ao subjetivismo romântico”, quis opor “a objetividade parnasiana, transformando os versos em música e pintura, dando especial encanto e função à palavra.” (2) Pela variedade da sua colaboração “ressalta o ecletismo” de A Folha que aceitava nas suas colunas, diz Doutor Amadeu Torres, os “metrificadores do ai ou de Lisboa” como “do mesmo modo que os “sacerdotes da ideia vaga ou de Coimbra”, como então chamava João Penha “aos românticos e realistas”.(1) O Parnasianismo, segundo o autor acima referido em “Antologia Literária”, defendia a “arte pela arte, a superioridade do bom cinzelador de versos”. João Penha, afirmava que o poeta poderá dever mais ao trabalho próprio, do que à natureza. Dizia “O poeta não nasce, faz-se”. João Penha ( João Penha de Oliveira Fortuna), poeta bracarense, nasceu em Braga, em 29 de Abril 1839, no prédio nº 7 da Praça Municipal, e faleceu também na sua cidade a 4 de Fevereiro de 1919. Conclui, com 34 anos de idade, em Coimbra o curso de Direito, dedicando-se após à formatura à Advocacia ao mesmo tempo que à produção poética. Deve-se a Penha a repescagem do Soneto para a Literatura Portuguesa, do qual foi um notável cultor “onde predominava ora a amargura e o desencanto, ora a mordacidade e a ironia triste”. (2) O vinho, as mulheres, o presunto foi a trilogia sua inspiradora, manifestada ao longo da sua poesia. A sua negação pela água está bem representada na quadra : “No coração alegria, Em conversa bom humor ; Pelo vinho simpatia, Por água um profundo horror.” João Penha dirigiu, no Porto, a “República das Letras”, de que apenas saíram três números, De entre a sua bibliografia podem destacar-se as publicações “Rimas”,”Novas Rimas”,“Últimas Rimas”,”E o Canto do Cisne”, e ainda um volume de críticas “Por montes e vales”.(2) Durante anos, João Penha foi vítima do esquecimento injusto dos bracarenses e só em 1939, é que passou a ser lembrado, quando lhe ergueram o busto, no Largo de São João do Souto, da autoria de António de Azevedo. Mas a má sina de João Penha estava traçada, teria que andar aos tombos pela cidade e sempre acompanhado por aquilo de que “tinha…um profundo horror” – água – e ela, depois da morte de Penha, com a benevolência dos seus conterrâneos, vingou-se. A seus pés, no largo de São João do Souto, colocaram um espelho de água ; quando passou para a Avenida Central, foi assente num canteiro do jardim onde há um poço e finalmente, no Largo do Rechicho, sobre a antiga nascente de água que ali existia e, ainda para mais desconsideração, o seu busto foi colocado de costas para a Avenida. Também a inauguração do monumento não foi apressada, parece que os responsáveis de 1919 tinham uma certa relutância em proceder ao acto. Vários dias esteve coberto por um trapo até que um grupo de irreverentes estudantes, numa noite resolveu fazer à sua maneira a inauguração rapando e colocando aos seus pés uma jocosa quadra. E para terminar estas mal alinhavadas notas, passarei a transcrever um seu soneto e uma poesia, assinalada como inédita, numa publicação de 1909 : R I M A S UM ROSTO ENCANTADOR, QUASE MORENO, DE UNS GRANDES OLHOS VERDES ANIMADO ; NEGRO O CABELO, EM TRANÇAS ENASTRADO ; CORRECTO O SUPERCILIO, IRIS SERENO ; VERMELHO LÁBIO, SORRIDENTE E AMENO ; BREVE A CINTURA ; O COLO, ASSETINADO ; UM DONAIRE DAS OUTRAS INVEJADO ; MAGRAS MÃOS ; O PÉ LEVE E PEQUENO ; EIS A DAMA POR QUEM CHORANDO ANELO ! RIVAL DAS GRAÇAS DO CINZEL JÓNIO, MAS FRIA COMO A NEVE : O MEU FLAJELO ! EIS A MINHA NATERCIA, O CRUEL DEMÓNIO POR QUEM VIVO PERDIDO, MAS TÃO BELO QUE NEM LHE RESISTIRIA SANTO ANTONIO ! P E R F I L (inédito) NÃO SERIA AMANTE O POETA, E SE O SOU EU É POR MEU MAL, SE A TI, CARA FLOR DILECTA, NÃO FIZESSE O MEU MADRIGAL. OS OLHOS AOS CÉUS LEVANTO : VEM-ME IDEAS, MAS CONFUSAS. QUE DIREI ? QUE TENS ENCANTO A GRAÇA ANTIGA DAS MUSAS, QUE MUITAS VEZES SINCERAS, OU COM VOZES DE SEREIAS, INSPIRARAM N’OUTRAS ERAS CANTOS DE AMOR, EPOPEIAS. OS TEUS OLHOS AZULADOS, COM TONS DE GLAUCO MAR, PRENDEM MINH’ALMA EM CUIDADOS, FAZEM MINH’ALMA SONHAR. FICO-ME COMO QUE OUVINDO VAGOS SONS D’HARPAS EÓLIAS, QUE A BRIZA ME TRAZ FUGINDO POR ENTRE AS BRANCAS MAGNÓLIAS, SE DE TEUS LÁBIOS DE ROSA SABE A VOZ QUE NOS ENLEIA, COMO UMA VOZ MELODIOSA DUM ROUXINOL QUE GORGEIA. NO TEU CABELO OPULENTO CASTANHO-ESCURO, DOIRADO, LÁ VIVE O MEU PENSAMENTO, O MEU CORAÇÃO, COITADO ! VIVO EM TI, NEM ME DOMINO, QUE EM TODA A FACE DA TERRA NÃ HÁ CORPO MAIS DIVINO PELAS BELEZAS QUE ENCERRA ! QUE DESENHO IDEAL E FRANCO ! NOSSO AMOR, NOSSO MARTÍRIO ! CORPO DE MÁRMORE BRANCO, E DENTRO . . . A ALMA D’UM LÍRIO ! CANTAR-TE MELHOR NÃO PUDE, E ERA NOITE DE LUAR ! OH ! VEM, MEU TRISTE ALAÚDE, VAMOS COM ELA SONHAR! João Penha (3) Braga, Janeiro de 2012 Luís Costa (1) – Amadeu Torres (Castro Gil) - Antologia Literária (2) – Diário do Minho Pag. Cultural -1/02/2012 (3) - Almaq. Ponte de Lima -1909 Obs. Caro Amigo Dr. Pinheiro, baseado no Diário do Minho, como me informou, fiz mais uns acrescentos. Ao meu amigo, peço faça as correcções que achar por bem.
publicado por Varziano às 19:20
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
13
14
15

16
17
18
19
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. ...

. Museu Imagem

. Palacete Arantes

. Inauguração em Braga da e...

. CHAVES -Cidade Hericoica

. fonte campo das hnortas

. Março

. Fevereiro

. Homenagem

. João Penha - definitivo

.arquivos

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds